Faca e gesto consequentes

  Antônio Hohlfeldt (Diário do Sul, 22 de dezembro de 1986) Fotos de Isabella Lacerda      Beckett é conhecido por seu niilismo e sua descrença em qualquer valor que ultrapasse a humanidade. Mais do que isso, o grande escritor irlandês desacredita na própria criatura humana, que visualiza como um ser sem caminho e sem lógica, sobrevivendo sem qualquer objetivo na vida, ou, quando os tem, sendo enganado por um falso objetivo (como em “Esperando Godot”, já que o tal Godot, em última análise, jamais virá porque jamais pensou em vir).       No caso de “Fim de Partida”, pode-se dividir a situação dramática em duas abordagens. A mais imediata é exatamente aquela que, em nível de realidade, pode ser desprendida das alusões, nem tão escassas assim, que pontuam todo o texto, talvez um dos primeiros trabalhos literários a abordarem a traumatizante experiência da bomba nuclear dos Estados Unidos em 1945. Pode-se pressupor que há muito aqueles quatro sobrevivem em uma construção quase subterrâ

IV FESTIVAL DE TEATRO: ABERTURA COM BRILHO

 

Nelson Abott de Freitas (Diário Popular de Pelotas, 23 de agosto de 1988) 

 

Fora do páreo, houve a exceção, na abertura, dia 15, com o esfuziante e belo espetáculo popular – A História do Homem que Lutou sem Conhecer seu Grande Inimigo – encenado na rua, às 17h de uma tarde de chuva, por conta do grupo porto-alegrense Terreira da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. Foi o momento mais entusiasmante do Festival.

Esse espetáculo foi uma festa. Palhaços em pernas-de-pau. Tambores, cores, alegria e barulho na rua, chamando o público para o teatro que conta a história de Zé da Silva, o homem cansado de esperar, acabrunhado, desempregado, ferido em sua dignidade pessoal, sem forças, exaurido e morto pela fome. A peça, a partir do trabalho de Augusto Boal – “A Revolução na América do Sul” – denuncia a fome, a opressão, os mecanismos de alienação impostos pelo governo, a corrupção, falando de problemas variados: multinacionais, saúde, leis trabalhistas e TV. Nem mesmo a Igreja se salva. Um trabalho feito com muita graciosidade e movimento, explorando o humor do circo e o clima da comédia farsesca, com um elenco homogêneo que cria sabiamente o tempo todo cenas riquíssimas de fluência e comicidade.

O grupo porto-alegrense, especializado em teatro de rua, consegue manter a atenção do público por quase duas horas – de pé sob a garoa – sem mostrar cansaço, seguindo interessadamente o espetáculo. Pois o elenco trabalha emocionado, demonstrando expressividade e espontaneidade nos menores movimentos. Uma peça alegre, sem monotonia, sem vulgaridade e apelação – não se ouviu um palavrão e nem se viu um gesto obsceno – divertida, mas fazendo o público pensar.

Aí  está o grande teatro para o povo. O teatro informal – e bem feito – levado às praças, bairros e vilas, como o teatro de Moliére, vivo e colorido, brincando e dizendo verdades. O Grupo Terreira da Tribo tem forte vínculo com o povo, porque é a partir das raízes culturais, interesses, sentimentos e aspirações desse povo que eles buscam o texto e elaboram a sua proposta estética. O povo, então, se identifica com as personagens exibidas, vibra e se emociona, e talvez passe a gostar de teatro. Bem-vindo a esse IV Festival é esse grupo gaúcho.