TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ 44 ANOS [PARTE 19]

“Se Não Tem Pão, Comam Bolo!” tem por referência a célebre frase da rainha da França, Maria Antonieta,quando no princípio da Revolução Francesa, pressionada em seu próprio palácio pelo povo que pedia pão, pateticamente perguntou por que não comiam brioches. Encenação popular, esta fábula política recorre ao fato histórico para falar de problemas cotidianos que afligem a maioria dos brasileiros: a fome, a opressão, os desmandos do poder e a corrupção dos políticos. Os personagens são saltimbancos contadores de histórias, que de uma forma satírica e divertida cantam para o povo, nas ruas, o que a sociedade burguesa procura esconder: a luta de classes. 
    “SE NÃO TEM PÃO, COMAM BOLO!” Roteiro e direção : criação coletiva Figurinos : Arlete Cunha Adereços : Zau Figueiredo Música : Rogério Lauda Elenco : Arlete Cunha, Kike Barbosa, Rogério Lauda e Sandra Possani Intérprete em substituição : Vera Parenza Estreia : 14 de fevereiro de 1993 (Espetáculo de rua) TERREIRA DA TRIBO EU APOIO! Você

ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ 44 ANOS [PARTE 7]


É na Casa para Aventuras Criativas que começou a nascer o teatro de rua do Ói Nóis Aqui Traveiz com a preparação das primeiras intervenções cênicas em manifestações ecológicas e pacifistas. Em junho de 1981 um cortejo cênico dos atuadores abre uma grande manifestação que reúne mais de mil pessoas no centro de Porto Alegre. Através da alegoria, utilizando bonecos e máscaras, a Tribo denunciava o uso indiscriminado da energia nuclear e a poluição do rio que abastece a cidade. A repressão policial se fez presente interrompendo essa primeira manifestação teatral nas ruas da cidade. E assim foi com as próximas intervenções cênicas do Ói Nóis Aqui Traveiz. Em agosto do mesmo ano, no aniversário da bomba de Hiroshima, a Tribo junto com várias entidades ecológicas, manifestou-se contra as pesquisas do governo militar para criar a bomba atômica brasileira. Dessa vez a violência foi geral, a polícia militar agrediu os manifestantes e destruiu a golpes de cassetetes a enorme bomba de papelão que abria o cortejo. Em maio de 1982 a cena se repetiu com a manifestação pela Paz nas Malvinas. Os bonecos gigantes da Rainha da Inglaterra e do General Ditador da Argentina foram completamente destruídos pela truculência policial. A partir desses acontecimentos a Tribo não saiu mais da rua. O interesse do Ói Nóis Aqui Traveiz voltou-se exclusivamente para as interferências cênicas no cotidiano. Antimilitarismo, denúncia de agrotóxico, luta contra o racismo, defesa dos povos indígenas; em todos os momentos de mobilização política, em atos de repúdio à injustiça social e à violência institucionalizada, a Tribo estava presente, em defesa terna e intransigente de uma humanidade criativa e solidária.


 Manifestação pela Anistia em agosto de 1978 (Prisão de Marcos Klasman e Paulo Flores)



Manifestação  no Dia do Meio Ambiente em junho de 1981



Manifestação contra a Energia Nuclear para Fins Bélico em agosto de 1981


 


Manifestação pela Paz nas Malvinas em maio de 1982

 

 
Manifestação contra o Armamentismo em agosto de 1985

 

Manifestação pela Greve Geral em dezembro de 1986

 



Manifestação pelo Fim da Censura em março de 1987

 



Manifestação em Defesa da Orla do Guaíba em março de 1988

 



Manifestação contra as Privatizações em 1997

 



TERREIRA DA TRIBO EU APOIO!
Você pode colaborar com uma assinatura mensal através da benfeitoria.com/terreiradatribo ou com uma doação para a Associação dos Amigos da Terreira da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz CNPJ 95.123.576/0001-52 através da conta Caixa Econômica Federal – Agência 0448 – Operação 003 – Conta Corrente 01315-4 Ou pelo PIX Chave 95123576000152