TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ 44 ANOS [PARTE 19]

“Se Não Tem Pão, Comam Bolo!” tem por referência a célebre frase da rainha da França, Maria Antonieta,quando no princípio da Revolução Francesa, pressionada em seu próprio palácio pelo povo que pedia pão, pateticamente perguntou por que não comiam brioches. Encenação popular, esta fábula política recorre ao fato histórico para falar de problemas cotidianos que afligem a maioria dos brasileiros: a fome, a opressão, os desmandos do poder e a corrupção dos políticos. Os personagens são saltimbancos contadores de histórias, que de uma forma satírica e divertida cantam para o povo, nas ruas, o que a sociedade burguesa procura esconder: a luta de classes. 
    “SE NÃO TEM PÃO, COMAM BOLO!” Roteiro e direção : criação coletiva Figurinos : Arlete Cunha Adereços : Zau Figueiredo Música : Rogério Lauda Elenco : Arlete Cunha, Kike Barbosa, Rogério Lauda e Sandra Possani Intérprete em substituição : Vera Parenza Estreia : 14 de fevereiro de 1993 (Espetáculo de rua) TERREIRA DA TRIBO EU APOIO! Você

TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ 44 ANOS DE TRAJETÓRIA

TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ
44 ANOS DE TRAJETÓRIA


Antígona Ritos de Paixão e Morte



O Amargo Santo da Purificação
 
 
Ostal

No dia 31 de março de 1978 o Ói Nóis Aqui Traveiz estreava a sua primeira encenação, formada por duas peças curtas ‘A Divina Proporção’  e ‘A Felicidade Não Esperneia Patati, Patatá’ que criticavam a sociedade capitalista, no seu Teatro na rua Ramiro Barcelos.  A Tribo completa 44 anos de utopia, paixão e resistência, de um teatro com pedra nas veias, político e popular, de pesquisa inovadora, continuada, rompendo a estética do teatro convencional, levando a relação entre atores e espectadores até às últimas consequências, e um compromisso permanente com a Arte Pública. Surgido em plena ditadura militar foi o primeiro grupo em Porto Alegre a conjugar em sua prática arte e vida, estética e política, radicalidade de comportamento e linguagem transbordando do espaço cênico para o cotidiano da cidade. Seu trabalho de investigação sobre a linguagem teatral procura uma lógica diversa da cultura dominante, provocando um estranhamento em relação à percepção de mundo e sendo expressão das contradições da sociedade na qual está inserido. O Ói Nóis Aqui Traveiz constituiu na Terreira da Tribo o Centro de Experimentação e Pesquisa Cênica e a Escola de Teatro Popular, referencia nacional na aprendizagem teatral. Oferece à cidade oficinas de iniciação, pesquisa de linguagem, formação e treinamento de atores, além de seminários e ciclos de discussão sobre a cena contemporânea. Nesses quarenta e quatro anos criou encenações que marcaram o teatro brasileiro como “Ostal”, Antígona Ritos de Paixão e Morte”, “A Saga de Canudos”, “Kassandra In Process”, “O Amargo Santo da Purificação” e “Medeia Vozes”.

 

Kassandra in Process

Medeia Vozes




A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz continua com a sua campanha TERREIRA DA TRIBO EU APOIO! para a manutenção do espaço cultural. O público interessado pode colaborar com uma assinatura mensal através da benfeitoria.com/terreiradatribo ou com uma doação para a Associação dos Amigos da Terreira da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz CNPJ 95.123.576/0001-52 através da conta Caixa Econômica Federal – Agência 0448 – Operação 003 – Conta Corrente 01315-4 ou pelo PIX Chave 95123576000152 .