TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ 44 ANOS História 32

Aos Que Virão Depois de Nós Kassandra in Proces   “Aos Que Virão depois de Nós – Kassandra in Process” é um espetáculo de criação coletiva da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, inspirado livremente  na novela homônima de Christa Wolf. Dando continuidade ao caminho trilhado pelo grupo em trabalhar com mitos que resultaram  nos espetáculos ‘Antígona Ritos de Paixão e Morte’ e ‘Missa para Atores e Público sobre a Paixão e Nascimento do Doutor Fausto de Acordo com o Espírito de Nosso Tempo’. KASSANDRA possibilita ao Ói Nóis Aqui Traveiz colocar em cena a sua proposta de Teatro de Vivência, onde o espectador está integrado ao espaço vivenciando as ações cênicas em diferentes ambientes. Realizando um teatro voltado para o sensível  atingindo o espectador-participante não somente em sua esfera racional, mas em sua afetividade. Para fazer explodir diante de nós próprios os reflexos daquilo que vislumbrava Artaud, um teatro onde a vida se tornasse autêntica, onde fosse possível se chegar

TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ 44 ANOS [PARTE 24]

 


“Álbum de Família”, criação da Oficina de Experimentação e Pesquisa Cênica, traz à cena o “Teatro desagradável” de Nélson Rodrigues, é explosão das paixões humanas e dos complexos pessoais e coletivos latentes no inconsciente e expostos em público na forma de espetáculo. A espinha deste teatro são os opostos intercomplementres: ódio – amor, realidade, - ilusão, morte – vida, hipocrisia, autenticidade, profano – sagrado, demência – sanidade, coletivo, individual, etc. Num plano mais profundo, essa mesma composição e trama de ações desagradáveis possuem como matriz o mundo mágico-mítico dos complexos. O real e o mítico s sobrepõem. É a aventura do homem enquanto espécie. Enquanto civilização em estado de degeneração. Em “Álbum de Família”, os tipos de complexos são elaborados magistralmente no interior da composição e trama das ações. Escandalizam os atos inconfessáveis, mórbidos, obscenos e desumanos. Revoltam o desvelamento público dos sonhos da carne e da mente duma família patriarcal em plena decadência física, psíquica e moral. Religam o homem atual ao homem arcaico de civilizações pré-modernas, supurando complexos coletivos e pessoais. Não se trata de uma volta às cavernas. Mas dum mergulho no inconsciente selvagem. No espaço de liberdade da atuação, o culto se revela, o dentro explode. Para além do controle social.


“ÁLBUM DE FAMÍLIA”


Autor: Nelson Rodrigues
Coordenação: Arlete Cunha e Kike Barbosa
Direção, cenografia e figurino: criação coletiva
Iluminação: Edgardo Sandoval e Paulo Ferreira
Contra-regras: Arlete Cunha e Kike Barbosa
Contra-regras em substituição: Hugo Varella, Joana do Carmo e Sandra Possani
Elenco: Aline Bechi, Cassemiro Vasconcelos, Goreth Albuquerque, Humberto Pinheiro, João Lima, Mateus Spielman, Nilsson Asp e Tânia Farias
Intérpretes em substituição: Edgardo Sandoval, Salvador Gutterres e Thayse Quadros
Estréia: 12 de janeiro de 1996