TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ 44 ANOS História 32

Aos Que Virão Depois de Nós Kassandra in Proces   “Aos Que Virão depois de Nós – Kassandra in Process” é um espetáculo de criação coletiva da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, inspirado livremente  na novela homônima de Christa Wolf. Dando continuidade ao caminho trilhado pelo grupo em trabalhar com mitos que resultaram  nos espetáculos ‘Antígona Ritos de Paixão e Morte’ e ‘Missa para Atores e Público sobre a Paixão e Nascimento do Doutor Fausto de Acordo com o Espírito de Nosso Tempo’. KASSANDRA possibilita ao Ói Nóis Aqui Traveiz colocar em cena a sua proposta de Teatro de Vivência, onde o espectador está integrado ao espaço vivenciando as ações cênicas em diferentes ambientes. Realizando um teatro voltado para o sensível  atingindo o espectador-participante não somente em sua esfera racional, mas em sua afetividade. Para fazer explodir diante de nós próprios os reflexos daquilo que vislumbrava Artaud, um teatro onde a vida se tornasse autêntica, onde fosse possível se chegar

UBU TROPICAL CURTA METRAGEM DO ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ ESTREIA NA TERREIRA DA TRIBO





No dia 27 de julho, às 20 horas, estreia o curta-metragem “UBU TROPICAL” na Terreira da Tribo (rua Santos Dumont, 1186), com entrada franca. O filme é uma alegoria da ascensão do pensamento fascista, propagando o ódio e a intolerância, que estamos vivendo no nosso país nos últimos anos. Primeira realização cinematográfica da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, este projeto tem o apoio do Rumos Itaú Cultural 2019-2020.


Desde agosto de 2021 o Ói Nóis Aqui Traveiz vem pesquisando a personagem Pai Ubu, criada no final do século XIX pelo francês Alfred Jarry, e icônica para todo o teatro ocidental influenciando as vanguardas em todas as partes do mundo. A investigação relaciona a personagem com o nosso Tropicalismo, movimento artístico surgido no contexto de um governo repressivo. Ainda que se tenham passado mais de cem anos desde a sua primeira aparição, Pai Ubu persiste como veículo de ruptura, chamando atenção para um mundo aparentemente ordenado e progressista, mas que a todo momento cria os seus brutais Ubus. Personagem que neste momento histórico que o Brasil está vivendo garante a contundência de seu retorno. O filme se utiliza da estética do cinema mudo trazendo elementos da comedia bufa e do grotesco. 


Através do olhar crítico da personagem Jarry o filme conta a história de uma família de bem que em um domingo ensolarado vai passear no parque para assistir uma exibição pública de desmiolamento. Aqueles que não se ajustam ao sistema ubuesco precisam passar pela Máquina de Descerebrar. O roteiro tem sua origem na Canção dos Desmiolados, criada por Alfred Jarry para a sua saga da personagem do Pai Ubu. O curta-metragem foi criado coletivamente pela Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz.