Santos Amargos

Paulo Bio Toledo - (Cavalo Louco Revista de teatro, dezembro de 2009)
[...] O dom de Despertar no passado as centelhas da esperança é um privilégio exclusivo do Historiador convencido de que também os mortos não estarão em segurança se o inimigo vencer. E esse inimigo não tem cessado de vencer.
Walter Benjamin Sobre o conceito da história
Necrofilia é o amor ao futuro Heiner Müller

Fotos de Pedro Isaias Lucas 
Anjos
A famosa metáfora do anjo da história do pensador alemão Walter Benjamin – interpretação poética da pintura Angelus Novus, de Paul Klee – retrata um anjo que observa o passado amontoado de entulho e destroços da civilização, mas não pode parar, é incessamente puxado ao futuro pelos ventos do Progresso.
Heiner Müller reescreve a imagem. Seu anjo olha a frente. Observa o futuro “represado, esmagando seus olhos”, mas a pilha de destroços é mais rápida que ele e o comprimento no instante: entre o passado e o futuro.Imobilizado, esmagado. Até que: “um renovado rufar de pod…

ESCOLA DE TEATRO POPULAR DA TERREIRA DA TRIBO/PONTO DE CULTURA

A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo, reconhecida como Ponto de Cultura, oferecerá neste primeiro semestre de 2020, diferentes Oficinas Teatrais, todas gratuitas e abertas aos interessados a partir dos 15 anos. Mais informações pelo telefone 3028 1358, no site www.oinoisaquitraveiz.com.br e nas redes sociais.


No espaço da Terreira da Tribo (rua Santos Dumont, 1186) acontecerão a Oficina de Teatro Livre, todos os sábados, das 14 às 17 horas, a partir do dia 18 de janeiro (sempre aberta a novos participantes); a Oficina de Teatro Ritual, de 13 de janeiro a 26 de março, de segundas a quintas-feiras, das 9 às 13 horas (a única com as inscrições encerradas); e a Oficina de Teatro de Rua – Arte e Política, de 2 de março a 31 de julho, de segundas a sextas-feiras, das 14 às 18:30 horas (inscrições de 17 a 21 de fevereiro, das 15 às 18 horas). Na ação Teatro Como Instrumento de Discussão Social, que desenvolve Oficinas em bairros populares da Grande Porto Alegre, os encontros são nas quartas-feiras, das 19 às 22 horas, em três locais – no bairro Restinga, na Associação Renascer da Esperança (rua Macedônia, 199), a partir do dia 8 de janeiro; na cidade de Canoas, na Antiga Estação Do Trem (Av. Vitor Barreto, 2301), a partir do dia 15 de janeiro; e no bairro São Geraldo, na própria Terreira da Tribo, também a partir do dia 15 de janeiro. As inscrições para estas Oficinas acontecem no horário e local aonde são realizadas.

A Oficina de Teatro Livre tem como proposta a iniciação teatral a partir de jogos dramáticos, expressão corporal e improvisação. Acontece durante todo o ano sem interrupções, visando estimular o interesse pelo teatro e a busca da descolonização corporal do oficinando. A Oficina de Teatro Ritual investigará os recursos expressivos do ator a partir do treinamento sobre as ações físicas. Serão desenvolvidos exercícios baseados em Grotowski e nas idéias de Antonin Artaud, para que através de ações físicas não-cotidianas o ator desenvolva presença cênica. A Oficina de Teatro de Rua – Arte e Política abordará os princípios básicos do teatro político e popular com a perspectiva de que a rua seja palco de um teatro que se assuma como um constante repensar da sociedade, motivando uma releitura da vida cotidiana. Investigará o movimento, o gesto e a voz para a ampliação do corpo do ator e a ocupação do espaço urbano, proporcionando experimentação de linguagens para o desenvolvimento de personagens, situações, fábulas. Trabalhará elementos e recursos plásticos e musicais que auxiliam a criação poética da cena na rua.

A ação Teatro Como Instrumento de Discussão Social têm como objetivo fomentar a organização de grupos culturais nos bairros. Abrindo espaço para sensibilização e experiência do fazer teatral, apostando no teatro como instrumento de indagação e conhecimento de si mesmo e do mundo, assim, como veículo de formação, informação e transformação social. Entendendo a cultura como agente formador de mentalidades com conseqüente influência direta na condução dos rumos da sociedade, e a atividade teatral como a mais objetiva das manifestações artísticas na reflexão do homem sobre si e sua realidade social.
A partir da experiência desenvolvida há mais de trinta e cinco anos com Oficinas Populares de Teatro, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, acredita na função social do artista, e pretende que esta formação favoreça a emergência do artista competente não apenas no seu ofício, mas também preocupado com o seu desenvolvimento como cidadão. A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo dentro da sua proposta de trabalho, realiza anualmente seminários, ciclos de debates e oficinas de iniciação teatral, formação, pesquisa de linguagem e treinamento do ator.