TERREIRA DA TRIBO 37 ANOS DE (R)EXISTÊNCIA

Artigo publicado no Correio do Povo em 11 de setembro de 2021. Fotos de Pedro Isaias Lucas.     No dia 14 de julho de 1984 a Terreira da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz abria as suas portas para o público. Com um show de rock-punk que reuniu as bandas Replicantes e Urubu Rei, entre outras. Logo em seguida o Ói Nóis Aqui Traveiz encenou na nova casa “A Visita do Presidenciável ou Os Morcegos estão Comendo os Abacates Maduros”, uma parábola sobre o momento político que o Brasil vivia, com a saída dos militares de cena e a entrada de um governo civil. E anunciava para toda cidade “...todas as pessoas gostam de cantar, dançar, representar, pintar, fotografar. Qualquer pessoa é capaz de criar e a Terreira da Tribo está aí para isso”. E nesses 37 anos de atividades a Terreira da Tribo abrigou as mais diversas manifestações culturais como espetáculos de teatro, shows musicais, ciclos de filmes e vídeos, seminários, debates, performances e celebrações. Hoje a Terreira é reco

ESCOLA DE TEATRO POPULAR DA TERREIRA DA TRIBO/PONTO DE CULTURA

A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo, reconhecida como Ponto de Cultura, oferecerá neste primeiro semestre de 2020, diferentes Oficinas Teatrais, todas gratuitas e abertas aos interessados a partir dos 15 anos. Mais informações pelo telefone 3028 1358, no site www.oinoisaquitraveiz.com.br e nas redes sociais.


No espaço da Terreira da Tribo (rua Santos Dumont, 1186) acontecerão a Oficina de Teatro Livre, todos os sábados, das 14 às 17 horas, a partir do dia 18 de janeiro (sempre aberta a novos participantes); a Oficina de Teatro Ritual, de 13 de janeiro a 26 de março, de segundas a quintas-feiras, das 9 às 13 horas (a única com as inscrições encerradas); e a Oficina de Teatro de Rua – Arte e Política, de 2 de março a 31 de julho, de segundas a sextas-feiras, das 14 às 18:30 horas (inscrições de 17 a 21 de fevereiro, das 15 às 18 horas). Na ação Teatro Como Instrumento de Discussão Social, que desenvolve Oficinas em bairros populares da Grande Porto Alegre, os encontros são nas quartas-feiras, das 19 às 22 horas, em três locais – no bairro Restinga, na Associação Renascer da Esperança (rua Macedônia, 199), a partir do dia 8 de janeiro; na cidade de Canoas, na Antiga Estação Do Trem (Av. Vitor Barreto, 2301), a partir do dia 15 de janeiro; e no bairro São Geraldo, na própria Terreira da Tribo, também a partir do dia 15 de janeiro. As inscrições para estas Oficinas acontecem no horário e local aonde são realizadas.

A Oficina de Teatro Livre tem como proposta a iniciação teatral a partir de jogos dramáticos, expressão corporal e improvisação. Acontece durante todo o ano sem interrupções, visando estimular o interesse pelo teatro e a busca da descolonização corporal do oficinando. A Oficina de Teatro Ritual investigará os recursos expressivos do ator a partir do treinamento sobre as ações físicas. Serão desenvolvidos exercícios baseados em Grotowski e nas idéias de Antonin Artaud, para que através de ações físicas não-cotidianas o ator desenvolva presença cênica. A Oficina de Teatro de Rua – Arte e Política abordará os princípios básicos do teatro político e popular com a perspectiva de que a rua seja palco de um teatro que se assuma como um constante repensar da sociedade, motivando uma releitura da vida cotidiana. Investigará o movimento, o gesto e a voz para a ampliação do corpo do ator e a ocupação do espaço urbano, proporcionando experimentação de linguagens para o desenvolvimento de personagens, situações, fábulas. Trabalhará elementos e recursos plásticos e musicais que auxiliam a criação poética da cena na rua.

A ação Teatro Como Instrumento de Discussão Social têm como objetivo fomentar a organização de grupos culturais nos bairros. Abrindo espaço para sensibilização e experiência do fazer teatral, apostando no teatro como instrumento de indagação e conhecimento de si mesmo e do mundo, assim, como veículo de formação, informação e transformação social. Entendendo a cultura como agente formador de mentalidades com conseqüente influência direta na condução dos rumos da sociedade, e a atividade teatral como a mais objetiva das manifestações artísticas na reflexão do homem sobre si e sua realidade social.
A partir da experiência desenvolvida há mais de trinta e cinco anos com Oficinas Populares de Teatro, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, acredita na função social do artista, e pretende que esta formação favoreça a emergência do artista competente não apenas no seu ofício, mas também preocupado com o seu desenvolvimento como cidadão. A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo dentro da sua proposta de trabalho, realiza anualmente seminários, ciclos de debates e oficinas de iniciação teatral, formação, pesquisa de linguagem e treinamento do ator.