quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Registro Audiovisual!

Assista abaixo um registro audiovisual sobre a cena da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz.
Clic nas imagens para acessar aos conteúdos!

Viúvas Performance Sobre a Ausência
Criação Coletiva da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz a partir do texto de Ariel Dorfman

Num pequeno povoado nas margens de um rio, mulheres lutam pelo direito de saber onde estão os homens que desapareceram ou foram mortos pela ditadura civil militar que se instalou em seu país.
Uma alegoria sobre o que aconteceu nas últimas décadas na América Latina e a necessidade de manter viva a memória deste tempo de horror, para que não volte a acontecer.
VIÚVAS foi apresentada na Ilha do Presídio - situada entre as cidades de Porto Alegre e Guaíba - nas ruínas do presídio onde foram encarcerados presos políticos no período da ditadura militar no Brasil.

Músicas de Johann Alex de Souza

Fotografia e edição audiovisual de Pedro Isaias Lucas

Foto: Pedro Isaias Lucas
 Documentário Raízes do Teatro

O documentário Raízes do Teatro apresenta um dos principais eixos do trabalho de criação da tribo de atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. O título do documentário é o nome do projeto criado pelo grupo em 1987 para sistematizar o estudo das origens ritualísticas do teatro. A principal característica dessa metodologia do grupo é o tratamento especial dado aos mitos. Fazem parte do projeto Raízes do Teatro os espetáculos Antígona, Ritos de Paixão e Morte, Missa para Atores e Público sobre a Paixão e o Nascimento do Dr. Fausto de Acordo com o Espírito de Nosso Tempo, Aos Que Virão Depois de Nós -- Kassandra in Process e Medeia Vozes.

Direção: Pedro Isaias Lucas 
   Duração do Trailler: 4 minutos
 Duração do filme: 26 minutos

Foto: Pedro Isaias Lucas

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Performance Onde? Ação nº2 no "Dopinha"


No próximo dia 18 de dezembro o Comitê Carlos de Ré da Verdade e da Justiça do Rio Grande do Sul promoverá um ato público no "Dopinha" (rua Santo Antônio, nº 600).
Na década de 60 esta casa funcionou como um centro clandestino de tortura e desaparecimento de pessoas contrárias à ditadura cívico militar.

A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz participa deste ato realizando a performance "Onde? Ação nº2" que trata deste nosso passado recente. A apresentação será às 16h30.

Esse ato objetiva chamar a atenção da população e pressionar os governos estadual, federal e municipal para a criação, ali, do Sítio de Memória Ico Lisboa, um memorial da luta de resistência e reparação dos crimes contra a humanidade.

Foto: Cláudio Etges

Performance “Onde? Ação nº2”

A performance “Onde? Ação nº2” de forma poética provoca reflexões sobre o nosso passado recente e as feridas ainda abertas pela ditadura militar. A ação performática se soma ao movimento de milhares de brasileiros que exigem que o Governo Federal proceda a investigação sobre o paradeiro das vítimas desaparecidas durante o regime militar, identifique e entregue os restos mortais aos seus familiares e aplique efetivamente as punições aos responsáveis. 

Participam da performance: Tânia Farias, Marta Haas, Paula Carvalho, Sandra Steil, Leticia Virtuoso, Leila Carvalho, Mayura de Matos, Paola Mallmann, Keter Velho, Luana da Rocha, Paulo Flores, Clélio Cardoso, Eugênio Barbosa, Roberto Corbo, Jorge Gil e Geison Burgedurf.



O homem deve ser livre...
O amor é que não se detém ante
Nenhum obstáculo, e pode mesmo
existir até quando não se é livre.
E no entanto ele é em si mesmo
a expressão mais elevada do que
houver de mais livre em todas as
gamas do sentimento humano.

É preciso não ter medo,
É preciso ter a coragem de dizer.

Carlos Marighella

sábado, 14 de dezembro de 2013

O melhor espetáculo do ano: Medeia Vozes em curta temporada na Terreira da Tribo!

Medeia Vozes da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, grande vencedor do prêmio Açorianos de Melhor Espetáculo, realiza apresentações com entrada franca ainda este ano! Em curta temporada, de 19 a 22 de dezembro, às 19h30 na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186). Distribuição de senhas a partir das 19h. Mais informações pelo fone: 3028 13 58

Medeia Vozes recebeu oito das dez categorias na qual estava indicada no Prêmio Açorianos, arrematando também o troféu do Júri Popular. 

Melhor Espetáculo

Melhor Direção
 

Melhor Produção 

Melhor Cenografia

  Melhor Dramaturgia

Melhor iluminação

Melhor Atriz para Tânia Farias

Melhor Trilha para Johann Alex de Souza
 

Troféu Juri Popular

Fotos: Pedro Isaias Lucas

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Medeia Vozes de 19 a 22 na Terreira da Tribo!!!

Para quem ainda não assistiu ao espetáculo Medeia Vozes, esta é a última chance ainda este ano.
Curta temporada, de 19 a 22 de dezembro, às 19h30 na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186). Entrada Franca. Distribuição de senhas a partir das 19h. Mais informações pelo fone: 3028 1358 

Foto: Pedro Isaias Lucas

O espetáculo que parte do mito de Medeia, tem como principal referência o romance homônimo de uma das mais notáveis escritoras alemãs, Christa Wolf.  

Em MEDEIA VOZES, Christa Wolf toma uma versão antiga e desconhecida do mito, rejeitando a efabulação de Eurípedes e a imagem de mãe infanticida que foi imposta à consciência ocidental, concedendo a Medeia a possibilidade de se afirmar como mulher e de revelar como foi vítima das necessidades e dos valores dos homens. Por mais de dois mil anos, Medeia, uma das mais poderosas mulheres da mitologia grega, é acusada de vários crimes, tais como o fratricídio, o infanticídio e o envenenamento de Glauce, mas Christa Wolf vem negar que Medeia tenha cometido algum destes crimes. Apresentando-nos um mito que ficou na memória dos homens e demonstrando-nos a perenidade do mesmo no tempo, Wolf transforma este mito antigo e a sua personagem central na exploração contemporânea do poder. 

Medeia é uma mulher que está na fronteira entre dois sistemas de valor, corporizados respectivamente pela sua terra natal, a Cólquida e pela terra para a qual foge, Corinto. Aqui, Medeia é abandonada pelo marido e as forças que estão no poder manifestam-se contra ela, chegando mesmo à perseguição e banimento.
A partir de “Medeia Vozes” - o quarto espetáculo do Projeto “Raízes do Teatro” que já trabalhou com mitos que resultaram em espetáculos marcantes na trajetória do grupo - a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz dá continuidade a linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea.

A encenação de MEDEIA VOZES faz parte da vertente que o grupo intitula Teatro de Vivência, onde o espectador é convidado não a assistir a um espetáculo, mas a vivenciá-lo através de seus cinco sentidos, de maneira interativa com os atores, potencializando radicalmente a capacidade transformadora do teatro.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

"É preciso abrir uma clareira no bosque"

Há exatos 102 anos atrás, nascia na Bahia o homem que iria se tornar o "Inimigo nº1" da ditadura militar. Filho de um operário, imigrante italiano e de uma negra, filha de escravos africanos trazidos do Sudão, ele trouxe no sangue a força, a coragem e a combatividade dos seus antepassados.

Político, Guerrilheiro e Poeta brasileiro, inspirou e inspira até hoje gerações e gerações de seres apaixonados pela vida, que incansavelmente acreditam na possibilidade de um mundo melhor, mais justo, mais igualitário.



Evoééé!
CARLOS MARIGHELLA VIVE!

LIBERDADE

Não ficarei tão só no campo da arte,
e, ânimo firme, sobranceiro e forte,
tudo farei por ti para exaltar-te,
serenamente, alheio à própria sorte.
Para que eu possa um dia contemplar-te
dominadora, em férvido transporte,
direi que és bela e pura em toda parte,
por maior risco em que essa audácia importe.
Queira-te eu tanto, e de tal modo em suma,
que não exista força humana alguma
que esta paixão embriagadora dome.
E que eu por ti, se torturado for,
possa feliz, indiferente à dor,
morrer sorrindo a murmurar teu nome

Carlos Marighella

Medeia Vozes recebe 10 indicações ao Prêmio Açorianos 2013!

Nesta semana foi divulgada a lista dos principais prêmios de teatro para as artes cênicas de Porto Alegre.
O espetáculo Medeia Vozes da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz recebeu 10 indicações.

E foram eles:

- Melhor espetáculo
- Melhor atriz, Tânia Farias
- Melhor atriz coadjuvante, Marta Haas
- Melhor figurino
- Melhor cenografia
- Melhor iluminação
- Melhor trilha, Johann Alex de Souza
- Melhor dramaturgia
- Melhor produção
- Melhor direção

Foto: Pedro Isaias Lucas


A revelação dos vencedores será no dia 13 de dezembro.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

A Oficina de Teatro Livre está de volta! Aberta e gratuita

A partir deste sábado o Ói Nóis Aqui Traveiz retoma as Oficinas de Teatro Livre na Terreira da Tribo.
A Oficina de tem a proposta de iniciação teatral a partir de jogos dramáticos, expressão corporal e improvisações. Visa estimular o interesse pelo teatro e a busca da descolonização corporal do artista/cidadão.
A oficina é aberta e gratuita a todos os interessados a partir dos 15 anos.

Local: Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186)
Dia: Todos os sábados
Horário: das 14h às 17h
Oficineira: Marta Haas

Informações: 3286 57 20 ou 989 31319

Foto: Cláudio Etges

A partir da experiência desenvolvida há mais de vinte e cinco anos com Oficinas Populares de Teatro, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, acredita na importância da função social do artista, e pretende que essa formação favoreça a emergência do artista competente não apenas no desempenho de seu ofício, mas também preocupado com o seu desempenho como cidadão.

...Então, que estes jovens que escolheram o teatro provem a cada dia a necessidade de sua escolha, também através desse programa inconseqüente. Que se deparem com um ofício que impõe exigências tão inumanas que somente alguns resistem: aqueles animados por uma necessidade irredutível; aqueles que não se contentam com soluções superficiais; as bestas de trabalho que aniquilam a inércia que se satisfaz com resultados superficiais. São aqueles que com seu próprio eu, com seu corpo e sua alma, chegam ao julgamento final sobre eles mesmos como representantes de uma sociedade que continua anunciando: ‘amarás a teu próximo’. E que cheguem a isso sem caos, sem exageros, sem transbordamentos emocionais, porém com lucidez e sangue-frio. Não se trata de ser missionário ou artista original, trata-se de ser realista. Nosso ofício é a possibilidade de mudar a nós mesmos e desse modo mudar a sociedade. Não é preciso perguntar-se: o que significa o teatro para o povo? Esta é uma pergunta demagógica e estéril. É preciso perguntar-se: o que significa o teatro para mim? A resposta, transformada em ação, sem compromissos nem precauções, será a revolução no teatro.”


(Eugenio Barba)

domingo, 24 de novembro de 2013

A Tribo está de volta em Porto Alegre!

Após 51 dias de viagem a Tribo de Atuadores Ói Nóis aqui Traveiz volta a Porto Alegre e já anuncia: Medeia Vozes está de volta! De 19 a 22 de dezembro na Terreira da Tribo!

Para aqueles que não conseguiram assistir ao espetáculo na sua breve temporada durante a programação do Festival Porto Alegre em Cena, o grupo irá realizar mais 5 apresentações ainda este ano, com entrada franca!

Foto: Pedro Isaias Lucas

A Tribo de atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz que completou 35 anos de trajetória em março deste ano realizou uma pequena turnê com o seu último espetáculo de Teatro de Vivência “Medeia Vozes”. A encenação passou pelas cidades de São Paulo na sede do grupo Ventoforte e em Arcoverde na Estação da Cultura, totalizando mais de 20 apresentações, entorno de 700 pessoas puderam entrar em contato com a cena dos sentidos do Ói Nóis Aqui Traveiz. 

Os interessados poderão acompanhar os registros desta viagem pelo blog da Tribo!

Assista no link abaixo um vídeo sobre este processo:

terça-feira, 19 de novembro de 2013

"...Dar musculatura as palavras..."

“Evocando os mortos – Poéticas da Experiência”
Por Tânia Farias


Após temporada de “Medeia Vozes” na megalópole São Paulo e no Portal do Sertão em Arcoverde, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz está em Recife, local onde Tânia Farias estará apresentado a Desmontagem “Evocando os mortos – Poéticas da experiência”. 

A desmontagem é uma imersão no seu processo de pesquisa e criação dentro de um dos coletivos teatrais mais significativos do país. De forma prática Tânia Farias corporifica este processo, traduzido na demonstração de um trabalho singular e artesanal, que vem deixando rastros de inspiração na cena contemporânea brasileira. 

A apresentação será no dia 21 de novembro, no SESC Santo Amaro - Teatro Marco Camarotti, às 20h. Entrada Franca. Retirada de senhas a partir das 19h, na bilheteria do teatro.

“...o teatro é a forma mais explícita da Obra em movimento ou do movimento da Obra – o teatro não se fixa na forma, nem perdura no tempo/espaço, criando outras relações tempo/espaço, as falsas sombras seriam o que obscurece a visão, diferente do que vela, possibilitando assim o desvelar e o dar-se da própria obra, que é a manifestação da própria vida, manifestação de mundo. O ator é parte dessa manifestação/obra. Obra de arte viva...”
Antonin Artaud em O Teatro e Seu Duplo


Sobre a Desmontagem “Evocando os mortos – Poéticas da experiência”

A desmontagem “Evocando os mortos – Poéticas da experiência” refaz o caminho do ator na criação de personagens emblemáticos da dramaturgia contemporânea. Constitui um olhar sobre as discussões de Gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação do grupo Ói Nóis Aqui Traveiz.
Seguindo a linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea a desmontagem de Tânia Farias propõe um mergulho num fazer teatral onde o trabalho autoral do ator condensa um ato real com um ato simbólico, provocando experiências que dissolvam os limites entre arte e vida e ao mesmo tempo potencializem a reflexão e o autoconhecimento.
Desvelando os processos de criação de diferentes personagens, criadas entre 1999 e 2011 a atriz deixa ver quanto as suas vivências pessoais e do coletivo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz atravessam os mecanismos de criação. A ativação da memória corporal, fazendo surgir e desaparecer as personagens.
Realizando uma espécie de ritual de evocação de seus mortos para compreensão dos desafios de fazer teatro nos dias de hoje.


quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Medeia Vozes na Estação da Cultura!

Veja abaixo algumas imagens do processo de montagem de Medeia Vozes no Sertão Pernambucano:

Arcoverde - PE



 














Fotos: Paula Carvalho
ASSISTA AO VÍDEO NO LINK:

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Medeia Vozes estreia em Arcoverde

ATENÇÃO: O horário do espetáculo foi transferido para às 22h!!! Distribuição de senhas a partir das 21h30.

Após apresentações com sessões lotadas em São Paulo, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz chega em Arcoverde – PE, para mais uma temporada do espetáculo Medeia Vozes.
As apresentações serão de 05 a 10 e de 12 a 15 de novembro, na Estação da Cultura (Av. Antônio Japiassu, s nº), sempre às 22h. Entrada Franca. Distribuição de senhas a partir das 21h30.

A turnê com o espetáculo Medeia Vozes celebra os 35 anos da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, completados em março deste ano.

A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz tem o patrocínio de manutenção da Petrobras.

Foto: Pedro Isaias Lucas
Em MEDEIA VOZES, Christa Wolf toma uma versão antiga e desconhecida do mito, e nos traz uma mulher que não cometeu nenhum dos crimes de que Eurípides a acusa. Por mais de dois mil anos, Medeia, uma das mais poderosas mulheres da mitologia grega, é acusada de várias atrocidades, tais como o fratricídio, o infanticídio e o envenenamento de Glauce, e é esta imagem que foi imposta à consciência ocidental que Wolf vem negar. O mito é questionado e reelaborado de maneira original, para analisar o fundamento das ordens de poder e como estas se mantêm ou se destroem.
Medeia é uma mulher que está na fronteira entre dois sistemas de valor, corporizados respectivamente pela sua terra natal, e pela terra para a qual foge.  Ambas as sociedades, Corinto e Cólquida, apresentam na sua história um sacrifício humano fundamental, que serviu para a estabilização do poder patriarcal. Medeia é uma mulher que enxerga seu tempo e sua sociedade como são. As forças que estão no poder manifestam-se contra ela, chegando mesmo à perseguição e banimento, ela é um bode expiatório numa sociedade de vítimas.
A Medeia pacifista do Ói Nóis Aqui Traveiz demonstra a inutilidade de todo processo bélico. A encenação forma uma obra polifônica, onde, além das vozes dos personagens narradores do romance, somam- se vozes de mulheres contemporâneas como as revolucionárias alemãs Rosa Luxemburgo e Ulrike Meinhof, a somali Waris Diriiye, a indiana Phoolan Devi e a boliviana Domitila Chungara, que enfrentaram de diferentes maneiras a sociedade patriarcal em várias partes do mundo.
Com a criação coletiva Medeia Vozes a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz dá continuidade ao Projeto Raízes do Teatro e segue uma linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea. Este projeto já trabalhou com mitos que resultaram nos espetáculos: Antígona Ritos de Paixão e Morte (1990), Missa para Atores e Público sobre a Paixão e o Nascimento do Doutor Fausto de Acordo com o Espírito de Nosso Tempo (1994) e Aos Que Virão Depois de Nós Kassandra In Process (2002).

Confira no link abaixo uma crítica sobre o espetáculo publicada no blog BACANTES.



sexta-feira, 25 de outubro de 2013

“Medeia Vozes” da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz em Pernambuco

Foto: Pedro Isaias Lucas

Após apresentações com sessões lotadas em São Paulo, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz chega em Arcoverde – PE, para mais uma temporada do espetáculo Medeia Vozes.
As apresentações serão de 05 a 10 e de 12 a 15 de novembro, na Estação da Cultura (Av. Antônio Japiassu, s nº), sempre às 22h. Entrada Franca. Distribuição de senhas a partir das 21h30.

A turnê com o espetáculo Medeia Vozes celebra os 35 anos da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, completados em março deste ano.

A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz tem o patrocínio de manutenção da Petrobras.

Em MEDEIA VOZES, Christa Wolf toma uma versão antiga e desconhecida do mito, e nos traz uma mulher que não cometeu nenhum dos crimes de que Eurípides a acusa. Por mais de dois mil anos, Medeia, uma das mais poderosas mulheres da mitologia grega, é acusada de várias atrocidades, tais como o fratricídio, o infanticídio e o envenenamento de Glauce, e é esta imagem que foi imposta à consciência ocidental que Wolf vem negar. O mito é questionado e reelaborado de maneira original, para analisar o fundamento das ordens de poder e como estas se mantêm ou se destroem.
Medeia é uma mulher que está na fronteira entre dois sistemas de valor, corporizados respectivamente pela sua terra natal, e pela terra para a qual foge.  Ambas as sociedades, Corinto e Cólquida, apresentam na sua história um sacrifício humano fundamental, que serviu para a estabilização do poder patriarcal. Medeia é uma mulher que enxerga seu tempo e sua sociedade como são. As forças que estão no poder manifestam-se contra ela, chegando mesmo à perseguição e banimento, ela é um bode expiatório numa sociedade de vítimas.
A Medeia pacifista do Ói Nóis Aqui Traveiz demonstra a inutilidade de todo processo bélico. A encenação forma uma obra polifônica, onde, além das vozes dos personagens narradores do romance, somam- se vozes de mulheres contemporâneas como as revolucionárias alemãs Rosa Luxemburgo e Ulrike Meinhof, a somali Waris Diriiye, a indiana Phoolan Devi e a boliviana Domitila Chungara, que enfrentaram de diferentes maneiras a sociedade patriarcal em várias partes do mundo.
Com a criação coletiva Medeia Vozes a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz dá continuidade ao Projeto Raízes do Teatro e segue uma linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea. Este projeto já trabalhou com mitos que resultaram nos espetáculos: Antígona Ritos de Paixão e Morte (1990), Missa para Atores e Público sobre a Paixão e o Nascimento do Doutor Fausto de Acordo com o Espírito de Nosso Tempo (1994) e Aos Que Virão Depois de Nós Kassandra In Process (2002).


Foto: Pedro Isaias Lucas

FICHA TÉCNICA:

MEDEIA VOZES
Criação coletiva da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz inspirada livremente no romance homônimo de Christa Wolf.
Roteiro, encenação, cenografia, figurinos e iluminação da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz

Música: Johann Alex de Souza

Preparação Vocal: Leonor Melo

Atuadores: Tânia Farias, Paulo Flores, Clélio Cardoso, Marta Haas, Eugênio Barboza, Jorge Gil, Sandra Steil, Paula Carvalho, Roberto Corbo, Letícia Virtuoso, Mayura Matos, Luana da Rocha, Keter Atácia, Alex Pantera, Geison Burgedurf, Pascal Berten e Pedro Gabriel.

Operação de luz e som: Daniel Steil e Márcio Leandro

Contra-regra: Thales Rangel


Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz - 35 Anos!

Durante três décadas a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz construiu uma trajetória que marcou definitivamente a paisagem cultural do Brasil. Com a iniciativa de subverter a estrutura das salas de espetáculos e o ímpeto de levar o teatro para a rua, abriu novas perspectivas na tradicional performance cênica do sul do país . A determinação em experimentar novas linguagens a fez seguir caminhos nunca trilhados por aqui. Com base nos preceitos de Antonin Artaud e do teatro revolucionário, investiga com rigor todas as possibilidades da encenação. Na busca de uma identidade, desenvolveu uma estética própria, fundada na pesquisa dramatúrgica, musical, plástica, no estudo da história e da cultura, na experimentação dos recursos teatrais a partir do trabalho autoral do ator, estabelecendo um novo modo de atuação. Seu centro de produção, a Terreira da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, ocupa lugar de destaque entre os espaços culturais do Estado, sendo igualmente apontada como uma referência de âmbito nacional. Funciona como escola de formação de atores e, principalmente, como ponto de aglutinação de pessoas e profissionais dos mais diversos segmentos, fomentando a criação artística em diferentes áreas. A organização da Tribo é baseada no trabalho coletivo, tanto na produção das atividades teatrais, como na manutenção do espaço. Para a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz o teatro é instrumento de desvelamento e análise da realidade; a sua função é social: contribuir para o conhecimento dos homens e o aprimoramento da sua condição.

A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz tem o patrocínio de manutenção da Petrobras.

Fotos do espetáculo Medeia Vozes em São Paulo!

Confira as fotos do espetáculo Medeia Vozes na sede do Grupo Ventoforte em São Paulo:

Foto: Pedro Isaias Lucas
Foto: Pedro Isaias Lucas
Foto: Pedro Isaias Lucas
Foto: Pedro Isaias Lucas
Foto: Pedro Isaias Lucas
Foto: Pedro Isaias Lucas
Foto: Pedro Isaias Lucas
Foto: Pedro Isaias Lucas
Foto: Pedro Isaias Lucas

A Tribo se despede de São Paulo e vai para Pernambuco para mais uma temporada de Medeia Vozes.

Confira abaixo algumas fotos da nossa desmontagem na sede do grupo Ventoforte:






Bate papo com Ilo Krugli: diretor, ator, artista plástico, escritor e fundador de um dos grupos mais importantes na história do teatro no Brasil, o Ventoforte.




Fotos: Paula Carvalho